TERRA NATIVA FM, 91,1

INTERNET VIA FIBRA ÓPTICA, TEM NOME.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

MOVIMENTO FARÁ PLEBISCITO INFORMAL SOBRE SEPARAR O SUL DO BRASIL NESTA SÁBADO, 17, DAS 08 ÀS 17 HORAS EM MUITAS CIDADES.

Em Foz do Iguaçu, no Paraná, núcleo municipal do movimento separatista "O Sul é meu país" participou do desfile cívico da Independência do Brasil no último 7 de setembro (O Sul é meu País/Divulgação)

Chamada de “Plebisul”, votação, que ocorrerá neste sábado, das 08 às 17 horas, coordenadora do RS diz que fator econômico é o que mais motiva a campanha.

Cédulas de papel serão distribuídas neste sábado, 7 de outubro, em 900 cidades brasileiras diante de quase 3 mil urnas informais com a seguinte pergunta: “Você quer que o Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul formem um país independente?”. Os interessados em participar da consulta informal, chamada Plebisul, sem validade legal, podem responder “sim” ou “não” na votação promovida pelo movimento “O Sul é meu país”.

Em outubro do ano passado, 95,7% dos 617.543 participantes votaram pelo “sim”. A meta do movimento era atingir 1 milhão de pessoas, o equivalente a 5% dos eleitores do Sul.

A votação ocorre na semana em que o mundo assiste ao impasse na Espanha, com a tentativa de separação da Catalunha do território espanhol. Porém, no Sul, não é esperado nenhum tipo de violência na votação. “Será bem democrático e extremamente pacífico. Se a pessoa quiser ir na urna e votar ‘não’, ela tem o direito. Todo sulista tem o direito de não querer o Sul separado”, disse ao Portal da VEJA Anidria Rocha, coordenadora do movimento no Rio Grande do Sul.

Além disso, ela afirma que, diferentemente da Catalunha, o movimento não tem como declarar unilateralmente a separação do Brasil. “Ainda estamos na fase de consultar a população de forma extraoficial para que, no futuro, possamos ser um país próspero e independente.”

Apesar do desejo de formar um novo país com os estados do Sul, o grupo esbarra no primeiro artigo da Constituição brasileira que determina que o país é formado “pela união indissolúvel dos estados”.

Conscientes da barreira jurídica, os separatistas apelam para o direito internacional alegando que proibir a separação do Sul descumpre o princípio da “autodeterminação dos povos”. Para Luís Renato Vedovato, professor da Unicamp, entretanto, a situação do Sul não se encaixa nas prerrogativas reconhecidas internacionalmente. “O direito internacional só reconhece o direito à separação em três hipóteses: jugo colonial [quando o país é colônia de outro], dominação estrangeira [quando um país invade outro] e graves violações dos direitos humanos [como no caso do Kosovo, que foi separado da Iugoslávia]”, afirma.

O professor é autor de um artigo publicado em 2016 em um periódico científico da Universidade de Oxford, na Inglaterra, em conjunto com Alexandre Andrade Sampaio. No texto, os docentes analisam as particularidades do movimento separatista do Sul. “O que a gente percebeu é que o movimento brasileiro é o único do mundo que não tem como reivindicação a busca de mais direitos para aqueles que querem libertar. Eles têm como pauta que o restante do país passou a ganhar mais”, disse Vedovato ao Portal da VEJA.

De fato, são as diferenças econômicas no Brasil que mais indignam os separatistas que organizam o plebiscito. “O fator que mais nos leva a buscar a independência é o econômico. De tudo que mandamos [em tributos] para Brasília, somente 20% retorna”, disse Anidria. “O artigo 3º da Constituição determina que são objetivos fundamentais da República diminuir as desigualdades regionais. Normalmente, são as regiões mais ricas que vão produzir mais e receber menos em troca”, rebate Vedovato.
Se a economia está no centro das motivações atuais dos separatistas, nem sempre foi assim. Há mais de vinte anos, quando o movimento foi criado em Laguna, em Santa Catarina, por Adílcio Cadorin, a principal crítica contra o separatismo era o suposto viés xenófobo, de uma supremacia do Sul com sentimento “antibrasileiro”. “Nosso movimento não tem nada de xenofobia, nada de racismo. Aqui no Sul somos completamente multiculturais, temos etnias de todas partes do mundo. A questão econômica é o que mais pesa. Nosso problema é contra o sistema, contra Brasília. O sistema que se encastelou e nos prejudica, prejudica todos os estados brasileiros”, defendeu Anidria.


Como o plebiscito não tem validade legal e em 2016 chegou a ser proibido pela Justiça Eleitoral de Santa Catarina sob a alegação de que tentar separar parte do território nacional é considerado crime (a pena varia de quatro a doze anos de prisão), o grupo busca um caminho para que a consulta seja reconhecida futuramente. Por isso, além de votar “sim” ou “não” pela criação de um novo país, os participantes poderão assinar o texto para um “Projeto de Lei de Iniciativa Popular”, segundo Adelar Bitencourt Rozin, do departamento jurídico do movimento “O Sul é o meu País”.


Pelo projeto, as assembleias estaduais de cada um dos três estados do Sul convocariam plebiscitos oficiais em 2018, simultaneamente às eleições de outubro do ano que vem. Para ser votado oficialmente, o projeto precisa ter assinaturas de no mínimo 1% dos eleitores de cada estado.

Fonte: Portal Veja


CIDADES PARTICIPANTES NO PARANÁ

Centro-Sul: Campina do Simão, Guarapuava, Laranjeiras do Sul, Palmas, Pinhão, Reserva do Iguaçu, Clevelândia, Candói, Nova Laranjeiras, Laranjal e Quedas Do Iguaçu.

Sudoeste: Ampere, Capanema, Planalto, Pranchita, Realeza, Sta. Izabel do Oeste, Dois Vizinhos, Francisco Beltrão, Santo Antonio do Sudoeste, São Jorge do Oeste, Chopinzinho, Bom Sucesso, Coronel Vivida, Vitorino, Enéas Marques, Pato Branco.

Sudeste: Irati, Mallet, Imbituva, Guamiranga, São Mateus do Sul, Prudentópolis, União da Vitória.
Noroeste: Umuarama, Paranavaí.

Centro Ocidental: Campo Mourão, Engenheiro Beltrão, Roncador, Juranda.

Centro Oriental: Arapoti, Piraí do Sul, Carambeí, Castro, Ponta Grossa, Telêmaco Borba, Tibagi.

Norte Central: Arapongas, Apucarana, Jandaia do Sul, Nova Esperança, Faxinal, Rio Bom, Jardim Alegre, Lidianópolis, Cambé, Londrina, Maringá.

Oeste: Boa Vista da Aparecida, Cap. Leônidas Marques, Cascavel, Santa Lucia, Três Barras do PR, Missal, Itaipulândia, Céu Azul, Foz do Iguaçu, Medianeira, Serranópolis, São Miguel do Iguaçu, Mar. Cândido Rondon, Nova Santa Rosa, Palotina, Santa Helena, Toledo.

Grande Curitiba: Curitiba, Almirante Tamandaré, Araucária, Campina Grande do Sul, Campo Largo, Campo Magro, Colombo, Fazenda Rio Grande, Itaperuçu, Mandirituba, Pinhais, Piraquara, Rio Branco do Sul, São José dos Pinhais, Lapa, Guaratuba, Paranaguá, Pontal do PR, Quitandinha, Rio Negro, Tijucas do Sul.

Norte Pioneiro: Cornélio Procópio, Cambará, Jacarezinho, Sto. Antonio da Platina, Joaquim Távora, Quatiguá, Tomazina, Siqueira Campos, Wenceslau Braz.

Para saber o endereço da urna em sua cidade acesse: http://plebisul.sullivre.org/OndeVotar/Index

(Atualizado em 02/10 pelo sistema plebisul.sullivre.org - Estes dados poderão sofrer alterações até o dia 07 de outubro.)


IDADE PARA VOTAR NA CONSULTA POPULAR - PLEBISUL 2017
18 ANOS EM DIANTE PODE SER APENAS COM O CPF, CASO NÃO ESTEJA COM O TÍTULO DE ELEITOR;
ENTRE 16 E 17 ANOS TEM QUE ESTAR COM O TÍTULO DE ELEITOR.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COTAÇÕES

Projeção da população do Brasil

Projeção da população do Paraná